A origem: cinema e tecnologia, imaginação e arte, subconsciente e geometria, efeitos especiais e inteligência.

by

Na semana passada assisti ao filme: “Inception” intitulado no Brasil: A origem e estrelado por Leonardo DiCaprio. O filme foi escrito, produzido e dirigido por   Christopher Nolan,  o mesmo diretor  dos novos filmes do Batman: “Batman Begins” e “O cavaleiro das trevas”. Nolan também é roteirista do excelente Memento (no Brasil: Amnésia ) de 2000.

A origem pode ser classificado como um filme de ficção científica, na mesma linha de Matrix. Inclusive a temática é parecida, a grande questão: o que estamos vivendo é a realidade? Também nesse filme, assim como em matrix, os personagens podem entrar numa espécie de mundo virtual, mas nesse caso este mundo pertence ao sonho de alguém.

Em “Mullholand Drive” (No Brasil: Cidade dos sonhos) um drama de 2002 do diretor David Lynch, ficamos perplexos com a confusão que o diretor nos coloca ao transformar o filme num verdadeiro sonho. Agora Nolan nos insere no sonho de um personagem e de dentro do sonho somos enviados a outro sonho e mais outro, como se fosse uma “matrioshka”, aquelas séries de bonecas russas que ficam umas dentro das outras.

Matrioshka - as bonecas russas

É preciso estar bem acordado para ver o filme, mas a complexidade de A Origem de Nolan não chega nem perto da de Cidade dos Sonhos de Lynch. Mesmo assim o filme vale muito a pena, por ter uma idéia inteligente, atores excelentes e imagens impressionantes. O filme ainda pode agradar aos fãs de filmes de ação pois toda a questão sobre sonhos e realidade servem como pano de fundo para um tema bem batido, o crime perfeito. Dentro disso não faltam tiros e perseguições, que a meu ver são a parte fraca do filme. Talvez por saber que os personagens estavam dentro de um sonho, fica dificil “entrar no filme” nas partes que envolvem a ação.

O que mais me agradou no filme, e que me motivou a escrever aqui no blog, é como o filme casa tão bem efeitos especiais e ficção científica. É uma pena que a maior parte dos filmes de efeitos especiais sejam sobre catastrofes, destruições do planeta, ataques de monstros ou alienígenas. A carência de roteiros inteligentes, para filmes que contenham esses efeitos, acaba levando a um preconceito de que efeitos especiais e qualidade são inversamente proporcionais. Mas Nolan já havia mostrado sua competencia em Amnésia. Um filme cujo enredo é muito simples e barato, mas que ao ser montado de tras para frente transformou-o num excelente filme. Lembro-me que ao assisti-lo no cinema pela primeria vez, fui ficando muito incomodado com a confusão inicial, mas quando o filme acabou tudo fez sentido e foi uma sensação ótima de compreensão, como se um enorme quebra cabeça tivesse sido montado em alguns segundos. Engraçado que no filme Cidade dos Sonhos de Lynch a sensação foi exatamente ao contrário, uma imagem que parecia pronta, é despedaçada a medida que o filme vai terminando e quando acaba, a sensação é que faltam peças para montar o quebra cabeça.

Mas voltando ao filme A Origem, outro detalhe que merece destaque aqui são as referencias, não citadas, ao artista gráfico M. C. Escher. Mestre da ilusão de óptica, Escher utiliza, de forma brilhante, elementos da geometria e do infinito para criar cenas impossíveis e perturbadoras, como a água que sempre desce mas que retorna ao ponto de partida ou escadas que sempre sobem. O filme explora bem isso, já que nos sonhos, nosso subconsciente pode criar cenários inusitados.

Vejam abaixo algumas obras de Escher e o video do trailer do filme.

Anúncios

Tags: , , , , , ,

5 Respostas to “A origem: cinema e tecnologia, imaginação e arte, subconsciente e geometria, efeitos especiais e inteligência.”

  1. Tweets that mention A origem: cinema e tecnologia, imaginação e arte, subconsciente e geometria, efeitos especiais e inteligência. « 12a Dimensão -- Topsy.com Says:

    […] This post was mentioned on Twitter by JayPee Zeitlin, Colégio Oswald. Colégio Oswald said: No blog 12a. Dimensão, o prof. Jacó faz uma análise do filme "A Origem" http://bit.ly/ahqbGe http://fb.me/xWcDQHlC […]

  2. Smoke One Says:

    Interessantíssima postagem.
    Tanto pela citação de ótimos filmes, quanto
    pelas referências bibliográficas.
    Tive imenso prazer intelectual quando li.

    Grato !!!

  3. Smoke One™ Says:

    Se não for pedir muito, gostaria
    de mais sugestões filmográficas
    no tocante cerebral.

    Grato !!!

    • blogs oswald Says:

      Oi, obrigado pelo comentario, como sugestão recomendo, se tiver em são paulo, e se ainda não tiver ido, a exposição do Escher no CCBB (centro cultural banco do Brasil), é fantástica, vou fazer um post sobre ela hoje. sobre filmes tenhos algumas dicasd pra trocarmos, filmes que achei bem inteligentes, para citar apenas alguns assim a gente vai trocando com mais detalhes, são: Vanila Sky, dirigido pelo excelente diretor: Cameron Crowe. É um remake de um filme espanhol , “Abre los ojos” de 1997, escrito e dirigido por Alejandro Amenábar e Mateo Gil. Outro filme que dá um nó no cérebro, é Amnésia, o titulo original é “memento” de Christopher Nolan, um filme cuja montagem é fantastica, pois é montado de tras para frente, colocando a gente na mesma situação do personagem, que por um acidnte acaba perdendo a memoria recente, portanto só lembra de coisas passadas. abraço jacó

  4. Interestelar, há muito tempo não víamos um filme assim. | 12a Dimensão Says:

    […] https://12dimensao.wordpress.com/2010/08/18/a-origem-cinema-e-tecnologia-imaginacao-e-arte-subconsci… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: